O NOME DAS LETRAS



...letras com nomes lá dentro...































sábado, 1 de junho de 2013

Camões e os Lusíadas - a homenagem maior de um empreendedor aos maiores empreendedores de todos os tempos... os portugueses dos descobrimentos...


 
  Os lusitanos, os lusíadas, os lusos, os "portugueses" da Lusitânia... (Mas isto é que são empreendedores, assim?...)





Excerto de "Os Lusíadas"...

" Eis aqui quase cume da cabeça
De Europa toda, o Reino Lusitano,
Onde a terra se acaba e o mar começa
 E onde Febo repousa no oceano

...

Esta é a ditosa pátria, minha amada. "  -         (On the top of the world...)




Os Lusíadas, quem eram?(Sim, porque Camões já todos conhecem...)

Os LUSÍADAS são os Lusos,os lusitanos, um povo que habitou a Península Ibérica, quer dizer uma  parte dela, a Lusitânia como se chamava nesse tempo. A Lusitânia ficava entre o rio Douro e o rio Guadiana e era uma terra muito rica, procurada por muitos povos antigos.

 AQUI


Podemos arriscar-nos a dizer que os lusitanos, os lusos, eram os teus "tatataravós".... Eles eram muito valentes e resistiram durante muito tempo aos ataques dos romanos que queriam conquistar muitas terras e governar sobre todos os povos. Lembras-te da história de Astérix e Obélix contra os romanos... também a Gália, onde habitavam,  era a única região que os romanos não conseguiam vencer. Bem, mas não penses que o Astérix e o Obélix eram lusitanos, isto é só para perceberes melhor a história e aprenderes a relacionar...


Os lusitanos...




Os lusitanos eram valentes mas tinham um grande chefe ainda mais valente e corajoso (qualidades de um bom empreendedor). O seu chefe chamava-se Viriato e não Abraracourcix, vê lá não baralhes...
Bem, mas os romanos ao verem que não eram capazes de vencer os lusitanos, não acharam graça nenhuma à ideia de estarem sempre a perder todas as batalhas. E...
...perceberam logo que enquanto os lusitanos tivessem aquele chefe nunca os iriam conseguir vencer...
E isso não lhes agradou nada.


«Há, na parte mais ocidental da Ibéria, um povo muito estranho: não se governa nem se deixa governar!»
 Esta frase, dizem que foi escrita por um general romano que estava de serviço na Península Ibérica numa carta enviada ao Imperador romano e claro, referindo-se aos lusitanos. Bem, os lusitanos davam que fazer e que falar, como qualquer bom empreendedor, é natural!...
AQUI





Lusitanos e romanos em luta, era o costume!...




A estátua de Viriato, em Viseu...




E mais uma luta com romanos...




E os romanos tiveram uma ideia...
Resolveram mandar matar à traição, o chefe Viriato.
E tinham um plano: prometeram dinheiro a alguns soldados lusitanos para que estes matassem Viriato enquanto ele dormia. 
E... só então conseguiram vencer os lusitanos.


Mas, não pensem que a história acaba aqui... 

Mais tarde, apareceu na Lusitânia um romano de nome Sertório. Ele tinha sido expulso de Roma porque se dera mal com os seus governadores.
Sertório era inteligente e comandava os soldados como ninguém. Os lusitanos perceberam isso e pediram-lhe para ser o seu chefe. E ele aceitou. 
Passados uns tempos a treinar lutas, os soldados estavam prontos para a batalha. E tudo recomeçou... 

A guerra nunca mais acabava mas, acabou por acontecer a Sertório o mesmo que a Viriato: foi morto à traição.


E desta é que foi de vez, os romanos venceram os lusitanos e ficaram na Península Ibérica. E entre muitas outras coisas, os lusitanos começaram a aprender com os romanos (eles não eram assim tão maus, aquilo era só para conseguirem o que queriam...). (Investiga o que aprenderam e o que ainda hoje existe em Portugal do tempo dos romanos...)
E aprenderam a língua que os romanos falavam (latim) e da qual veio a "nascer" a língua portuguesa, que ainda hoje se fala.(e muitas mais coisas...)



 o latim...
O céu cai-lhe em cima da cabeça...

CURIOSIDADE:

Os lusitanos eram os habitantes da Lusitânia e descendiam (eram da família) dos Celtiberos.
Os romanos vieram de Roma, eram bons lutadores e iam "à escola". Foram eles que ensinaram os habitantes da Península Ibérica a fazerem estradas, pontes e muralhas, a governarem e mandarem, ensinaram a sua língua, o latim , do qual veio mais tarde o português e tornaram-se cristãos...




E (depois de mais umas coisitas da história que saltamos) hoje habitamos um país que se chama Portugal (na Península Ibérica) mas que na verdade nasceu há uns séculos atrás, também devido à coragem e empreendedorismo de um grande empreendedor. 
O grande empreendedor que ficou na história porque foi empreendedor e nem sabia o que era ser empreendedor, chamava-se D. Afonso Henriques, "O conquistador".

 O seu nome, quer dizer o seu cognome não lhe foi dado por acaso... Ele foi mesmo um grande conquistador! (e empreendedor)


aqui


E agora, como não podia deixar de ser, mais umas lutas (estas não foram a pedidos, mas sabemos que gostam na mesma...)
Então aqui vai a história de mais umas lutas (é o que dá ser empreendedor...mesmo sem saber)...
D. Afonso Henriques quis conquistar Portugal, quer dizer, quis que Portugal fosse dele e lá começaram mais umas batalhazitas... Ele lutou contra os mouros para ganhar novas terras e contra os leoneses para tornar Portugal independente. ( e ainda lutou contra a sua própria mãe, mas isso já é outra conversa...)
 Estes empreendedores andavam sempre "à batatada"... não havia nada a fazer!
 Então reparem bem na vida de D. Afonso Henriques...um homem de tal coragem, um guerreiro, um chefe que não era possível vencer...



Uma batalhazita -  A batalha de Cerneja, onde vence o rei de Leão (que governava os leoneses). 

Ainda não tinha bem terminado esta batalhazita quando se vê obrigado a "fazer a paz" e perder o que tinha ganho, porque os mouros estavam no sul de Portugal e era preciso ir até lá "enxotá-los"... Mais uma batalhazita!... A batalha de Ourique(1139).

De regresso, mais uma batalhazita em Valdevez, entre portugueses e leoneses. Mais uma vitória para o "conquistador".

Já estavam todos a desistir, ninguém o vencia  e vai de assinarem um tratado de paz (...Se não os vences, alia-te...)O tratado de Samora(1143).

E as batalhas continuaram... atacou os Mouros novamente e conquistou:

Santarém, Lisboa, Palmela, Sintra, Alcácer do Sal, Évora, Beja, Moura, Serpa e Juromenha...

 Com tantas lutas lá se descobriram mais uns empreendedores, pela sua coragem, que muito ajudaram o invencível Afonso... Mem Ramires, Gonçalo Mendes da Maia, Geraldo Sem Pavor e D. Fuas Roupinho. E ainda vieram mais uns cavaleiros vestidos com umas roupas com uma grande cruz ao peito, eram cristãos e chamavam-lhes, já se sabe cruzados, por causa da cruz... (Isto quando se ouvia falar de luta, ninguém perdia pitada...vinham logo todos. Era o seu passatempo favorito!)
(Devia ser por isso que o Astérix e o Obélix não perdiam uma luta com os romanos.)
E ainda querem que haja paz! Como? A história é só disto! Experimentem contar uma história sem "lutas" e vejam lá se é história!...

 
 Aqui, os cruzados...


Este grande rei, o primeiro de Portugal, governou 57 anos e lutou durante toda a sua vida para ter Portugal independente e maior. E conseguiu por em prática o seu sonho.

Se não fosse este grande empreendedor, talvez hoje nem fossemos portugueses... 









 aqui




E... uns séculos depois... a mesma história...(Como a terra já estava "muito" conquistada e o mar estava ali mesmo ao pé, a chamar...) Mais umas lutas, agora com o mar, uma aventura por mar, os maiores empreendedores de todos os tempos... à conquista do mar...( e mais umas lutas...)






E mais um empreendedor na História... cantado nos "Lusíadas" por Luís Vaz de Camões, outro grande empreendedor português... Os maiores empreendedores portugueses homenageados por Camões... Os portugueses que enfrentaram o mar... Descobriram o mar e venceram o Adamastor... E deram novos mundos ao mundo...



Vasco da Gama


Vasco da Gama

Era uma vez um povo de marinheiros e de heróis, e de lutas, (era o costume) e era o povo português. Passaram muitos anos - mais de quatrocentos - e o mar sempre ali, a olhar. Foi então que alguém teve a ideia: tentar descobrir o caminho marítimo para a Índia. Terra de riquezas, que todos queriam, cobiçavam, mas muito longe para se alcançar.
E depois de alguns anos de trabalho de equipa, de estudos e preparação, para pôr a ideia em prática...

Quatro pequenos navios comandados pelo grande capitão Vasco da Gama, ousaram atravessar o Atlântico, que só era conhecido até ao Cabo das Tormentas ou da Boa Esperança. (dependendo do tempo em que o atravessaram) Dobraram esse cabo e seguiram de velas enfunadas em direção ao seu destino, a Índia.
O vento era manso e o mar de calmaria e até ali a viagem fora sossegada, serena. Mas os perigos estavam mesmo ao virar da esquina, a viagem era longa e a travessia de alto risco. E... para complicar tudo, ninguém sabia ao certo o rumo a seguir, pois até ali nunca ninguém se atrevera sequer a tentar aquela rota, aquele rumo de tão difícil navegação. Só os portugueses, os grandes empreendedores, com a sua coragem e audácia se atreveram a realizar aquele feito heróico, aquela aventura fascinante e aterrorizante, aquele sonho tornado realidade.






Foi no dia 8 de junho de 1497, depois de uma longa e planeada preparação, que as naus portuguesas largaram de Lisboa, da praia de Belém, em busca do sonho: o caminho marítimo para a Índia.



No dia 20 de maio de 1498, depois de atravessarem os mares "nunca antes navegados", os marinheiros portugueses chegam à Índia. Finalmente estava provado que se podia ir pelo mar, da Europa até à Índia. E Lisboa tornava-se rapidamente, a mais rica cidade do mundo, naquela época. Os empreendedores, o sonho, os planos, a preparação e a concretização da ideia, do sonho... aliadas à coragem e à fé na vitória...


















Como conseguiram os portugueses este feito quando antes, outros não o conseguiram?...

1 - Tinham o mar que estava ali ao pé, mesmo a chamar. Aproveitaram este "material" (o mar) que sempre estivera ali e ainda ninguém ousara usar daquela forma.
2 - Tinham os navios, as naus Os portugueses sempre foram um povo de marinheiros e de barcos, conheciam bem a arte de os fazer e de os usar...
3- Tinham os conhecimentos náuticos que os portugueses já possuíam. Tinham os melhores navegadores e conheciam bem o mar. Utilizavam instrumentos criados especificamente para viajarem no mar e se orientarem...
4 - Os portugueses já conheciam o oceano até ao cabo das Tormentas.
5 - Tiveram a coragem, a ousadia de desafiar o Adamastor.
6- Tiveram a fé, o acreditar que iam conseguir, mesmo apesar do velho do "Restelo" e das suas ideias... 
7 - Trabalharam em equipa.
8- Tiveram um rei que acreditou neles e os incentivou e financiou, claro!
9 - E devem ter tido alguma sorte, pois se antes deles alguns já tinham fracassado... Os deuses deviam estar com eles, talvez Camões tenha tido mesmo razão... Ah! E as sereias, as nereides também, para ajudar os barcos a navegar!...
10 - Eram portugueses e isso diz tudo... 

Por isso foram empreendedores de sucesso...















As naus onde partiram à conquista do mar...





aqui

 









E a homenagem maior, aos maiores empreendedores portugueses, "Os Lusíadas"...


aqui





E o seu autor, outro empreendedor dos maiores de PORTUGAL...

 

LUÍS VAZ DE CAMÕES




Porque há empreendedores de todos os tamanhos e os empreendedores não se medem pelo tamanho...



aqui



 Lê este poema e põe-te a pensar...

Quem é o monstrengo que está no fim do mar?
O que estará lá a fazer?
Como foi lá parar?
O que será necessário para o derrotar?
Ou teremos de estar com ele e aceitá-lo lá no seu lugar?...
O monstrengo será real? Porquê?...

Os poemas que escreveste na aula sobre "O monstrengo" em breve estarão por aqui...

 
 


O monstrengo

O mostrengo que está no fim do mar
Na noite de breu ergueu-se a voar;
À roda da nau voou três vezes,
Voou três vezes a chiar,
E disse: «Quem é que ousou entrar
Nas minhas cavernas que não desvendo,
Meus tectos negros do fim do mundo?»
E o homem do leme disse, tremendo:
«El-rei D. João Segundo!»
 
«De quem são as velas onde me roço?
De quem as quilhas que vejo e ouço?»
Disse o mostrengo, e rodou três vezes,
Três vezes rodou imundo e grosso.
«Quem vem poder o que só eu posso,
Que moro onde nunca ninguém me visse
E escorro os medos do mar sem fundo?»
E o homem do leme tremeu, e disse:
«El-rei D. João Segundo!»
 
Três vezes do leme as mãos ergueu,
Três vezes ao leme as reprendeu,
E disse no fim de tremer três vezes:
«Aqui ao leme sou mais do que eu:
Sou um povo que quer o mar que é teu;
E mais que o mostrengo, que minha alma teme
E roda nas trevas do fim do mundo,
Manda a vontade, que me ata ao leme,
D' El-rei D. João Segundo!» 
                              Fernando Pessoa in Mensagem










 ... Tudo parece perdido, impossível, mas, tu consegues... Isso é ser empreendedor!... Ainda que apenas com um braço, tu és capaz e tens de acreditar que consegues!... Mas, não penses que vai ser fácil!... Fácil, não existe!... Vais ter de trabalhar e não só!... É a vida, é como em tudo na vida!... Na tua vida!...






E uma homenagem... uma mensagem aos maiores empreendedores de todos os tempos... Espreita o vídeo...


video


E... os trabalhos de uns empreendedores, uns pequenos empreendedores... "Contar histórias de ideias" num filme com música... e um C.D.... (em breve todas as outras histórias de ideias...) No próximo post... e até lá fiquem com estas ideias...


video






video




Mas... o que é um empreendedor?...

CLICA e descobre...







E umas perguntas... muito simples... CLICA e espreita... vê se conheces a resposta...


No meu tempo tinhas de esperar para ser grande e "empreenderes"... agora "já és grande" que chegue... podes ser um empreendedor já hoje...


E por falar em empreendedor... lembras-te...


Agora já não precisas de esperar para ser grande e saberes o que queres ser (quando fores grande)... Podes ser já e começar já a empreender... e a ser...















Contar histórias de ideias...

 








Sem comentários:

Enviar um comentário